Os 10 Mandamentos de Deus e o Pai Nosso

Abd-ru-shin

US$ 6.00
Excl. Tax


Availability: In stock

OR
Description

Details

Claramente explicado em sua totalidade, Os Dez Mandamento de Deus e o Pai Nosso é um livro para qualquer um que está se esforçando por ter uma vida íntegra. Abd-Ru-Shin oferece sólidos fundamentos para a vida do dia-a-dia e para a vida após a morte, através das lições espirituais dos Mandamentos de Deus e da oração.

O problema das orações formais, das liturgias e das crenças decoradas é que nós apenas aprendemos as palavras, mas perdemos o verdadeiro significado espiritual das mesmas. Neste livro, Abd-Ru-Shin vai fundo, mas de forma clara, dando-nos esclarecimentos sobre como devemos aplicar os Dez Mandamentos de Deus em nossas vidas, na prática.

Additional Information
Author Abd-ru-shin
ISBN 978-3-87860-051-8
Dimensions 12,5 X 19,5 cm
Language Português
Preview

Preview

SOU O SENHOR, TEU DEUS! NÃO TERÁS OUTROS DEUSES ALÉM DE MIM!

Quem for capaz de interpretar corretamente estas palavras, nelas provavelmente já encontrará o julgamento de muitos que não cumprem este mais nobre de todos os mandamentos.

“Não terás outros deuses!”

Muitos não dão o devido apreço a estas palavras. Tornam-nas demasiado fáceis para si mesmos! Entendem que idólatras são apenas aqueles que se ajoelham diante de uma série de figuras de madeira, cada qual representando determinada divindade, ou quiçá também os adoradores de Satã e outros transviados, aos quais na melhor das hipóteses consideram com compaixão, sem, porém, jamais pensar em si próprios.

Analisai-vos uma vez e submetei-vos a um exame, pois talvez também façais parte dos que assim agem!

Um possui um filho, que lhe significa mais que tudo e pelo qual seria capaz de qualquer sacrifício, que o faz esquecer tudo o mais. Outro coloca a fruição dos prazeres terrenos acima de tudo e, ainda que imbuído da melhor boa vontade, não seria capaz de deles privar-se por coisa alguma, se tal exigência lhe fosse apresentada, podendo dispor da faculdade de livre arbítrio. Um terceiro, por sua vez, ama o dinheiro, um quarto o poder, um quinto uma mulher, outro mais honrarias terrenas e todos, em última análise, amam… a si mesmos!

Isto é idolatria na verdadeira acepção do termo! Disso nos adverte o primeiro mandamento, e o proíbe! E pobre daquele que não o segue ao pé da letra!

Tal transgressão acarreta, como punição imediata, que os homens desta índole fiquem sempre presos à terra, ao penetrarem no reino da matéria fina. Na verdade, porém, eles próprios se prendem à terra, pelo pendor por algo nela existente! Ficam assim impedidos de ulterior ascensão, perdem o tempo que para este fim lhes foi concedido e correm perigo de não sair a tempo do reino da matéria fina, numa ressurreição deste para o reino luminoso dos espíritos livres.

São arrastados então para a inevitável decomposição de toda a matéria, que constitui fonte de purificação para a sua ressurreição e sua nova formação. Isso para a alma humana implica, porém, na morte espiritual de toda consciência pessoal e, portanto, também no aniquilamento de sua forma e de seu nome para toda a eternidade.

É dessa terrível consequência que o cumprimento do mandamento nos pretende livrar! É o mais nobre dos mandamentos, porque o mais imprescindível aos homens, já que estes infelizmente tendem com demasiada facilidade a entregar-se a algum pendor que acabará por escraviza-los! Aquilo, porém, que permitem se constitua em um pendor, transformam, por este modo, em bezerro de ouro, colocando-o em primeiro plano e constituindo-o ídolo ao lado e, muitas vezes, até acima de seu Deus!

Desses “pendores”, criados pelo próprio homem e dos quais ele se assenhoreia com total despreocupação, infortunadamente existem muitos! O pendor é a predileção por algo terreno, conforme já salientei. Naturalmente há ainda outros casos de natureza idêntica.

Quem, porém, adquire um pendor, “pende”, como já a palavra acertadamente expressa. Fica preso assim à matéria grosseira quando de sua passagem ao Além para seu ulterior aperfeiçoamento e não consegue libertar-se facilmente, ficando, portanto, tolhido, retido! Poder-se-ia também dizer que é uma maldição que sobre ele fica pesando. O processo é o mesmo, qualquer que seja a forma pela qual se expresse.

Se, porém, durante sua existência terrena, colocar Deus acima de tudo, não apenas em sua imaginação ou por meio de palavras, porém, na intuição sincera e verdadeira, com respeitoso amor, que o prenda tal qual um pendor, elevar-se-á ao chegar ao Além por efeito concomitante desta ligação, pois, leva consigo a veneração e o amor a Deus, que o sustentarão e por último o conduzirão ao Paraíso, à morada dos espíritos puros e libertos de todos os fardos, cuja ligação conduz tão somente à verdade pura de Deus!

Atentai, pois, estritamente à observância deste mandamento. Assim procedendo, livrar-vos-eis de muitos liames desfavoráveis do destino.